Quem está na corrida para o Palácio do Povo? Conheça os cinco candidatos.

Depois de 13 candidatos nas eleições presidenciais de 2011, estas presidenciais estão menos concorridas. Ainda não sabe em quem votar? Conheça melhor a candidata e os quatro candidatos que querem ir para o Palácio Cor de Rosa (Palácio do Povo).

Apesar de o boletim de voto ostentar 7 nomes, apenas 5 devem ser considerados no dia 17 de Julho. Todavia há quem diga que estas presidenciais estão a ser disputadas apenas entre os 3 grandes: Pinto, Evaristo e Maria. Há quem fale ainda na possibilidade de uma segunda volta entre Pinto da Costa e Maria das Neves ou Pinto da Costa e Evaristo Carvalho. A ver vamos!

Pinto da Costa, primeiro e atual Presidente da República Democrática de São Tomé e Príncipe, líder histórico do MLSTP/PSD, desempenhou um papel fundamental na transição do regime de partido único para a democracia, apresenta-se como candidato de continuidade.

Diz que se recandidata para continuar a lutar para a melhoria de condições de vida no país e apela à mais um voto de confiança dos sãotomenses para mudar São Tomé e Príncipe. O candidato independente disse que enquanto existir pobreza e miséria haverá permanentemente discórdia entre o povo sãotomense e a paz e tranquilidade nunca reinarão.

Pinto da Costa ressaltou a instabilidade como sendo um dos maiores entraves ao desenvolvimento de São Tomé e Príncipe.

Evaristo Carvalho é, pela segunda vez consecutiva, o candidato do partido ADI. Com uma extensa carreira política e administrativa, assume-se como um dos que batalhou na linha de frente para implantar um regime democrático em São Tomé e Príncipe. Já disse que será Presidente da República os 365 dias do ano, as 24 horas do dia, os 7 dias da semana. É esse tipo de líder que promete ser se chegar ao Palácio do Povo.

O candidato do partido no governo disse que quer servir com dedicação e zelo para contribuir para fortalecer as condições de estabilidade e governabilidade de São Tomé e Príncipe. Para tal pretende promover a unidade e a coesão do Estado, lutando pelo alargamento dos espaços de liberdade na nossa sociedade, sem prejuízo do salutar confronto democrático, respeitando e garantindo os direitos de todos.

O pai de 25 filhos promete estabilidade governativa e a busca permanente de consensos políticos alargados constituem a pedra basilar para o seu progresso económico, social e cultural.

Maria das Neves foi a primeira a anunciar a sua candidatura e é a única mulher na corrida. Militante do MLSTP/PSD, decidiu apresentar-se como candidata independente. Também já é a sua segunda participação consecutiva nas eleições presidências e promete dar particular atenção à tão necessária afirmação da Identidade Nacional, e com os seus cerca de 40 anos de experiência na administração pública, em que ocupou vários cargos políticos de destaque, fazer São Tomé e Príncipe avançar.

Quer ser Presidente porque quer trabalhar pela Reconciliação Nacional, Estabilidade Politica, Paz e Coesão Social, tão imprescindíveis ao desenvolvimento socioeconómico a que tantos aspiramos.

Acredita profundamente num São Tomé e Príncipe verdadeiramente próspero, onde os cidadãos possam afirmar-se com dignidade, usufruindo de oportunidades iguais. Na sua visão, o desenvolvimento de São Tomé e Príncipe passa pelo comprometimento e apego de todos ao trabalho, ao diálogo, à concertação permanente, à reconciliação e coesão social.

A candidata disse ainda que pautará a sua atuação em estreita articulação com o Governo e demais órgãos de soberania.

Hélder Barros também foi candidato nas Presidenciais de 2011 e tal como na primeira vez em que se candidatou, também agora está no fim da tabela das intenções de voto. No seu projeto para o país, propõe a reforma do Estado e a transformação de São Tomé e Príncipe num centro de prestação de serviços (“Regional Hub”) e em zona de atividades francas (“Export Processing Zone, Financial Centre, etc.”) no golfo da Guiné.

Diz que se recandidata porque ao longo dos cerca de 41 anos de independência, a taxa de pobreza tem crescido em média mais de 1,5% por ano, o que perfaz um total acumulado de aproximadamente 66%. E frisa que a maioria dos outros candidatos ocupa ou ocuparam cargos de chefia do Estado ou do Governo e não têm conseguido ou não conseguiram inverter a situação. Julga que com o seu percurso nacional e internacional, trará uma nova experiência, em particular a nível da cultura política e cultura de serviço público.

Defende que o desenvolvimento do país passa pela reconciliação entre os são-tomenses e uma maior integração regional em que nos consigamos afirmar como uma plataforma de prestação de serviços no golfo da Guiné.

No que toca a relação do Presidente da República com o governo, declara que a Constituição define os poderes de cada órgão e que cabe aos titulares respeitá-los.

Manuel do Rosário, que promete “abolir o regime de laicidade vigente”, para anualmente, “sujeitar o país a um dia dedicado à oração”, no intuito de proteger São Tomé e Príncipe, anunciou logo que não faria comícios por falta de recursos financeiros. Ainda assim acredita que poderá fazer história nestas presidenciais por ser “um candidato que Deus indicou para participar nessa corrida". Até então aparece sempre no fim da tabela das intenções de voto dos são-tomenses.

Quer ser o próximo Presidente da República porque ainda acredita que o país pode relançar tendo um Presidente de estabilidade, um Presidente que pode relacionar-se bem com o Governo e tirar o país do marasmo em que se encontra.

Apela aos votos dos são-tomenses frisando que é um candidato de estabilidade, confiança, limpo e trabalhador. Manuel do Rosário disse que o desenvolvimento do país passa por uma boa governação, em que os governantes não governem para o seu bolso, mas que sirvam o povo. O candidato disse que por ser muito tolerante e uma pessoa amiga será amigo do governo de modo que ambos trabalhem juntos e acredita piamente que vencerá no dia 17 de Julho, apesar de estar no fim da tabela das intenções de voto.

O que têm todos os candidatos em comum? Todos prometem estabilidade política e governativa. Contudo o poder está nas mãos dos são-tomenses, que irão uma vez mais às urnas votar nas eleições presidenciais.

Escrito por
Katya Aragão
Demografia
Demografia
Do total da população de São Tomé e Príncipe, com aproximadamente 187.356 habitantes (Censo 2012) [...] Foto:...
Venha Conhecer São Tomé e...
Venha Conhecer São Tomé e...
São Tomé e Príncipe é um destino ideal para conhecer uma África amável [...] Foto: Cruza Mundos São Tomé...
Ússua
Ússua
Nasceu no início do século XX, sendo uma dança praticada pelos "filhos da terra" de inspiração europeia:...
O País Lusófonia Política Economia Sociedade Desporto Educação Cultura Multimédia Saúde
Cultura Angola     Embaixadas Futebol        
Demografia Brasil   Turismo Serviços Basquetebol   Gastronomia    
Geografia Cabo Verde   As praias Emprego Ciclismo   Folcrore    
História Guiné Bissau   Ecoturismo Imobiliário Canoagem   Festas Locais    
Clima  Moçambique   A Capital Meteorologia  Clubes        
Fotos  Portugal      Tecnologia Taykwondo        
  Timor     Links Úteis Capoeira        
  S.Tomé e Príncipe       Xadrez        

© 2015 STP Digital Lda. Todos os direitos reservados. | Desenvolvimento por Albatroz Digital | Manutenção por STP Digital Lda | Termos e Política de Privacidade | Publicidade